Bola pra frente? Que nada... Toma bola atrás, meu povo!


Eu não sofri! Não gastei um tostão com camisas, badulaques. Não enfeitei minha fachada, não pintei a rua. Não estou de ressaca.

Cruel? Não...

O que eu mais ouvi hoje foi... "a vida segue!" e o famoso "bola pra frente!". O cacete! Você que gastou uma grana danada, se endividou para comprar ingressos e ver os jogos nas arenas, que vai pagar as 12 parcelas no cartão... chegou a hora de limpar a baba e acordar! Tem contas para pagar!

Toma bola atrás, brasileiro! Quem mandou ser tolo de comprar da mídia um sonho de um utópico hexacampeonato? Quem mandou ser patriota de estádio, torcedor de fan fest? Não se arrependa... você viveu o sonho...

Faz muito tempo que o futebol brasileiro deixou de ser um escrete campeão. Mesmo nos dois últimos títulos mundiais... As federações, a CBF e a FIFA são tão mergulhados em sujeira, que o que acontece dentro das "quatro linhas", que isso reflete dentro de campo... ou você acha que esta corrupção não atinge aos jogadores.

O Brasil perdeu de 7x1 para a Alemanha... alguns choraram de vergonha. O goleiro Julio Cesar, o zagueiro David Luis, o meia atacante Oscar... não vi mais ninguém chorar. E o que me irritou, mais ainda, foi ver o Felipão bater palma ao grupo, logo após o apito final... numa de dar força aos atletas, Felipão exaltou o grupo e sua isenção quanto ao vexatório espetáculo proporcionado aos novos televisores, que ainda serão pagos pelos torcedores, nas Casas Bahia da vida...

Eu vi o ridículo teatro da choradeira da seleção, após a suadíssima vitória contra o Chile. O pessoal chorava copiosamente. Senti vergonha de ver aquilo... era quase uma confissão de incompetência, frente à pressão sentida. Pressão esta que a própria comissão técnica se impôs, ao afirmar que o "hexa já era nosso". Nosso quem?

Esta copa também revelou o péssimo nível técnico dos jornalistas esportivos, que parecem não ter acompanhado o futebol mundial de seleções. Tudo bem que futebol é a arte do imponderável, do imprevisível... Mas, em nenhum momento, eu vi um jornalista falar que a seleção brasileira era artificial.. Nada do que disseram, para mim, soou como razoável.

Ontem, meio que sabendo que não ia rolar, eu gravei a Globo, a ESPN Brasil, o SporTV e assisti ao jogo na Band. Mais tarde, após o vexame, me sentei e assisti a todas as resenhas, mesas redonda e bate-bolas da vida. E vi o jogo todo, de novo.

Sem exceção, todos os jornalistas falaram merda! Todos, que antes pareciam encantados com o escrete verde-e-amarelo, que davam palpites vitoriosos contra todos os rivais, que exaltaram a vitória sobre Camarões, atacaram quem viam pela frente!

Lembraram da corrupção da CBF, da desatualização da comissão técnica, da limitação dos jogadores. Mandaram bala, queimando bruxas, caçando culpados para este desastre.

Eu acho que a vitória da Alemanha ficou barata. O Julio Cesar impediu dois gols com duas belas defesas... e, antes do gol sem honra do Brasil, um alemão perdeu um gol cara a cara... era para ser de 10.

Foi merecido ser desta forma.

Se fosse uma vitória suada, estaria o povo, agora, exaltando os guerreiros, a luta e a raça dos milionários jogadores que, em fim de temporada, estão de saco cheio de ver grama e bola. Querem mais é curtir as férias, longe do Brasil... com seus iates, seus carrões, suas muitas mulheres... que bola, o cacete! Acreditem, é assim que pensam!

Hoje pela manhã fui ver como os patrocinadores da seleção se posicionaram diante da acachapante vitória germânica. Todos eles falam que a vida segue, que a derrota é momentânea, que amanhã é outro dia. A Coca-Cola, com um canudinho, numa garrafa, remetendo a imagem de um nó na garganta... que nada. Vamos pagar as contas, pessoal!!!

Sabe, não estou chutando cachorro morto, batendo em bêbado. Pra mim, a seleção morreu faz tempo... o futebol deixou de ser uma paixão, diante de tanta manipulação. Tentam cobrir sujeira com o futebol, que é realmente um  esporte incrível... mas que conseguiram estragar com ganância.

Acho que o placar hiper elástico (jamais se viu tamanho vexame na história do futebol mundial) foi o reflexo da justiça para o povo, que tomou o balde da água mais fria possível, como se o Universo quisesse acordar o povo para a realidade da vida.

O que deve nos encantar, nesta vida, são nossos filhos, sobrinhos, família... para nos entreter, temos a arte (música, teatro, cinema)... temos o esporte, que nos prende à cadeira. Não podemos inverter isso! Fazer do futebol nossa paixão máxima e foda-se nossos filhos!

Nesta Copa eu fui muito observador. Andei pelas ruas, em dias de jogos, vi mães e pais, normalmente bêbados, mandarem filhos calarem a boca, na hora do jogo. Criança pequena não está nem aí para o futebol e vi muitos pais, imbecis, calarem seus filhos, em público, para gritar contra o juiz, contra o Hulk, contra o ca-ce-te!

Como somos ignorantes...

Nossa paixão insana (insana sim, ou não seria paixão) ultrapassa os limites do ridículo, do vexatório. Usamos o futebol como fuga da vida e, quando nosso time fracassa, não queremos nada e nem ninguém...

Tenho visto muito, a mídia dizer que o jogo de ontem é uma página virada, um jogo para esquecer. Que nada... não podemos deixar esta oportunidade passar. Fazer deste jogo um "marco zero" para um novo começo. A busca de um resgate verdadeiro da alma do esporte.

Eu queria muito que uma seleção de pequena tradição ganhasse. Torci para todos os nanicos (como chamamos os times mais fracos). Isso reverteria o poder dos poderosos! reverteria a cultura bilionária, de transformar moleques em astros, da noite para o dia...

Bom... este pensamento não estava pronto. escrevi outros dois textos sobre esta derrota, mas não vou publicar... é falar do mesmo, do lugar comum... todo mundo está com pedras na mão para dar porrada na seleção. Eu quero dar porrada no povo! Fazê-los acordar. Quem dera eu tivesse espaço numa rede de TV e pudesse dizer isso: "Acordem, otários!!! Tem um monte de contas para pagar!!!". Quem dera...

Vamos acabar com essa palhaçada arrogante de país do futebol!!! O Brasil é o país de um povo que PRECISA ACORDAR! Somos vistos pelo governo, pelos poderosos, pela mídia, como um bando de otários!!! Não somos o país dos otários!!! Ou somos?

O otário que se rasga pela seleção é o mesmo que se endivida para ver os jogos, que se enche de brasilidade na hora do hino, que nem sabe cantar... Este otário manipulável é o mesmo que vai às urnas... Isso que me mata!

É isso aí, otário. Toma bola atrás!

Eu vou ser sincero: vou torcer para a Argentina. Quem sabe, assim, o prefeito do Rio de Janeiro, cumpre sua promessa, de se matar, caso os Hermanos sejam campeões, em pleno Maracanã? Aliás, hoje é dia da Independência Argentina! Parabéns...

Esta copa precisa ser a ruptura de um modelo de paixão... e só uma massacrante combinação de tragédias, nos fará despertar para o que realmente importa!

Daqui a pouco tem Argentina e Holanda.

O grande legado da Copa...


Eu juro a você! Assim que eu comecei a me informar sobre esta investigação da Polícia Civil do Rio de Janeiro, sobre esta rede internacional de desvio e venda irregular de ingressos VIP, dos jogos da Copa do Mundo FIFA 2014, pensei comigo: "A nossa Polícia é fo**. Quando ela quer, ela descobre tudo!"

Daí, eu pensei... está aí o grande legado da Copa do Mundo! O desbaratar de uma enorme quadrilha internacional, que agia há cerca de 10 anos, no enriquecimento de pessoas ligadas à FIFA inclusive.

O crédito, inteiro, é da Polícia Civil do Rio de Janeiro... da nascente à investigação. Nossa polícia, quando quer, é excelente. Inteligente, assertiva.

Pois bem... quando eu fui pensar em publicar este artigo neste meu espaço, mencionando tal fato como "legado da Copa", verifiquei que o tratamento deste assunto, já tinha sido publicado pelo excelente Juca Kfouri, na sua coluna do UOL Esporte, no dia de ontem. Tolo de mim, que não publiquei antes... Mas, vai o meu crédito da ideia compartilhado com o Juca, no link http://blogdojuca.uol.com.br/2014/07/desmascarar-a-fifa-o-maior-legado-da-copa-no-brasil/ Vale à pena ler.

Apesar da notícia estar em todos os veículos de nosso rico jornalismo, do esportivo, policial ao maior sensacionalista. Esta notícia está por toda parte. Quero abordar aqui, o que parece ser componente sanguíneo do ser humano: a corrupção.

E quanto mais se navega na escala de poder, mais a corrupção se faz presente.

Queria ver se o chefe desta super quadrilha internacional, fosse um brasileiro. Já até imagino, nós, um dos povos mais corruptos do planeta, sendo chacoalhados por mais este escândalo.



Mas, neste caso, específico, a coisa saiu do colo da FIFA, dos caras do alto escalão, executivos ligados, diretamente. A prisão do chefão (ou um dos chefões) deste esquema, numa luxuosa suíte do Hotel Copacabana Palace, o Raymond Whelan, diretor da Match, empresa que agencia instalações e acomodações, à FIFA e também é braço de venda de ingressos, mostra que não há limites para o que o ser humano é capaz de fazer por dinheiro, poder.

Posso imaginar o momento da prisão, o que se passou pela cabeça do camarada, ao saber que a polícia estaria ali para levá-lo... Um cara que, pela posição no cenário corporativo, devia ter tudo... e ainda assim, sujou até a alma da mais fétida merda que poderia entrar. E, sabe-se lá quem mais não está envolvido nisso...

Cogita-se a participação indireta de ex jogadores de futebol, celebridades. Na Internet está cheio de fotos do argelino Lamine Fofana (braço forte da distribuição dos ingressos ao cambismo e venda irregular). É claro que as fotos abaixo (com o baixinho Romário, Pelé, Cafu, Stallone, Ronaldo fenômeno, Dunga, Joseph Blatter, entre tantos outros, disponíveis, na Internet), não coloca nenhuma dessas pessoas famosas em suspeita. Tudo será devidamente investigado e é papel da polícia do Rio fazer isso.



Tabém parece que há até um tipo de parentesco desse cara, o tal Raymond, com o Presidente da FIFA, Joseph Blatter...

A FIFA que anda coberta de uma penugem de negociatas, suborno internacional e alta corrupção para escolhas de países sedes para suas competições, agora vê a polícia brasileira, sempre tão combatida a estar a poucos passos de desvendar uma conexão sólida e gigantesca corrupção, roubo... cifras que envolvem cerca de R$ 200 milhões, por copa disputada... Coisa grande.

Queria escrever mais sobre isso. Mas a Internet está lotada deste assunto. Verdades, mentiras.. tudo lá, escrito, falado, televisado!


Quero dar os parabéns à Polícia Civil, pelo grande trabalho de investigação realizado, que parece estar apenas no início, já que existem milhares de horas de conversações telefônicas, em diversos idiomas, mostrando que há uma enorme capilaridade e alcance desta rede criminosa.

A Copa do Mundo está um sucesso de público e crítica. Não entendo muito de futebol, mas o que se diz, é que o alto nível técnico, não se via, nos gramados, há muito tempo...

Parece que o sucesso também acontece fora dos gramados, dado que uma rede de longa vida começa a ser identificada e desbaratada. Excelente trabalho de nossa polícia que, quando quer mesmo, vai lá e pega!

Falamos tanto em querer as coisas no "padrão FIFA". Mas, do jeito que a coisa se mostra, esta padrão vem sempre encharcado de sangue inocente e de cocô, do mais fedido. Não sei se termos hospitais, escolas e segurança padrão FIFA seriam coisas boas para nossa sempre tão sofrida população.

Noutro dia, a presidente Dilma mencionou que nossos aeroportos são feito ao "padrão Brasil". Tenho até medo de comparar as coisas, neste momento.


O que vemos, amigos, é que vivemos um momento para colocar toda uma discussão na mesa. Parece que a Copa do Mundo FIFA 2014, no Brasil, evidenciou a necessidade do povo discutir suas questões... toda esta história de superfaturamento de estádios, propina em todos os escalões de negociação, corrupção até a alma, foi super exposto com a chegada da Copa.

É hora de fazermos uma boa reflexão sobre o passado democrático do Brasil e projetarmos dias melhores, fiscalizando mais e colocando a boca no trombone. A Copa evidenciou tanta sujeira. Realmente, isso precisava acontecer... e o povo precisa reagir.

A Copa terminará como um sucesso total. O evento se vende, por si. Mas, quando as luzes apagarem, é hora de fazermos a copa do povo, onde precisamos lutar por redenção... mas este é outro assunto.

Daqui a pouco jogam Brasil x Alemanha...

Febris e corriqueiros


Definitivamente, não sou bom em trocadilhos... Queria encontrar uma expressão criativa e parodiar o fonema do termo "febre tifoide", que por sim, é de nome horrível, além de seu significado, tão ruim quanto...

Mas, vida de blogueiro, ao sentar e escrever, é assim... buscar palavras que prendam, que chamem atenção... Receber visualizações (page views), neste mundo tão alucinadamente concorrido, é uma tarefa das mais ingratas.

Eu, por exemplo, aqui neste meu baú, que já foi chamado de blog, um dia... escrevo, escrevo... mas, na hora de colocar um título para a crônica, desabafo, ou sei-lá-mais-o-quê, é uma tristeza... Até que, às vees, o título sai pronto, fica óbvio... mas, normalmente, é uma dura pausa para escrever, em poucas palavras, o que se quer dizer, em um texto inteiro...

Muitas vezes, um texto, por mais longo e prolixo que eu escreva, acaba por não marcar bem a minha intenção. Mas é assim mesmo... tem coisa que sai fácil, mas tem certos pensamentos, temas, crônicas, desabafos, confissões... que demoram para brotar.

Estava fazendo minha leitura diária, navegando pelos inúmeros jornais que acesso, na busca de informação. 

Se você lê o conteúdo deste espaço com alguma frequência, deve imaginar como eu me sinto a só ver assuntos relacionados à Copa do Mundo... até eu, me rendi. Os últimos pensamentos escritos foram alusivos ao torneio mundial de seleções nacionais, que por sinal, é um sucesso absoluto, em quase todos os sentidos. Afinal, o que não está funcionando não tem o menor espaço na mídia... portanto, parece que tudo funciona à perfeição. Mas não vou falar nisso...

Quero me ater ao enorme volume de coisas que vemos, todos os dias. Somos devoradores de conteúdo, mas não quer dizer que somos famintos. Muitas vezes, me sinto como um bebezinho, o qual a mãe enche a colher de papinha e a empurra goela abaixo da criança, que talvez, nem tenha tanta fome assim... Mas, sendo quase inevitável... já que é assim, comamos a papinha.

Somos este bebê... às vezes, nem buscamos conteúdo, mas o conteúdo vêm à nós com uma velocidade (e volume) assustadores.

Antigamente, eu acabava dando de cara, no facebook, com a mesma notícia, vinte vezes, de vinte veículos diferentes... e quase todos eles dizendo a mesmíssima coisa. Meu feed de "notícias" era tão poluído, que eu ficava com raiva do veículo e da notícia, por vê-la tantas e tantas vezes... Mas a culpa era minha. Até que eu entendi isso e selecionei os veículos de comunicação menos óbvios e nada sensacionalistas. A papinha, agora, até que cai bem...

Mas, voltando à minha dificuldade de criar coisas novas, temas interessantes... até gosto de escrever. Neste baú, há quase 400 pensamentos escritos, ao longo desses cinco anos de existência... numa média de seis textos por mês. Em média, a cada cinco dias, um pensamento, desabafo, segredo, confissão, crônica ou sei-lá-mais-o-quê, publicado, abertamente, sem pudor, sem revisão... saindo de mim, espontaneamente...

Talvez isso não diga nada a você... mas, para mim, é um legado de vida...

Bom... com a média de seis textos por mês, são seis dificuldades diferentes de encontrar um tema interessante, para chamar sua atenção, sem querer parecer uma propaganda enganosa. Afinal, muitos veículos usam uma manchete como isca para atrair cliques, leitores. Quase todos os veículos de comunicação que eu conheço são encapsulados (e focados) para gerar renda. E a fonte da renda, é o seu clique.

Cada vez que você clica numa notícia, aquele veículo contabiliza e transforma em dinheiro, junto aos patrocinadores. E, como os patrocinadores, que possuem a grana, querem ser vistos, não importa o preço, sentem-se no direito de, também interferir na forma como o leitor acessa aquela página... Imagine um patrocinador, fabricante de biscoitos, que anuncia numa página de fofocas, dar seu pitaco, para ser mais visto, mais clicado, mais acessado e consumido. Acaba dando caca. Com certeza...

Nós, o povão, somos vistos pelo mercado como meros clicadores. E, quanto mais sentamos a bunda na frente do computador, mais interessantes somos, quando gastamos nosso escasso dinheirinho, nos cliques que damos, consumindo as coisas que os patrocinadores vendem por aí... Cada vez mais, somos considerados menos... cada dia que passa... entendeu isso?

Não importa quem você seja. Na verdade, nem sua opinião importa. Mas se você clicar, o pessoal do outro lado vai gostar. Vai gostar do clique. Não de você. Pois não te conhecem e nem querem conhecer... Querem mais é que você se dane... mas precisa clicar antes de se danar.

Eu já recebi duas míseras propostas para monetizar este espaço. Mas me recusei a implantar aqui qualquer tipo de publicidade, por entender que isso tirará a essência do que eu escrevo. Me preocuparei em não atingir ninguém que possa configurar algum conflito de interesses. Acho que o patrocínio nos molda e nivela para baixo... Infelizmente, o dinheiro manda no mundo... e as contas precisam ser pagas. Mas, jamais vi este espaço como algo para ganhar dinheiro... até porque eu iria à falência... este espaço é meu... para escrever o que eu vejo, penso e sinto. Acho isso impagável...

Se você aguentou ler até aqui, deve estar se perguntando o que a febre tifoide tem a ver com tudo isso que estou escrevendo... Como escritor entusiasmado e super mediano (já até disseram que sou péssimo), tenho muita facilidade em sair do foco. Começo escrevendo sobre A e, quando me dou conta, estou no M... Mas é assim que sou... goste sou não. Sou escravo dos meus dedos, guiados por meus pensamentos. Escrevo como se estivesse em transe. E o meu transe não obedece à técnicas de escrita... fazer o que?

Pois bem... eu queria achar um termo engraçadinho que coubesse o trocadinho "tifoide", como: "sefoide" ou "nosfoide", para falar, de novo, de nosso comportamento, quando estamos online...

Você já parou para perceber quanta bobagem circula na Internet? Quantos sites absolutamente inúteis, falando dos famosos, das celebridades... Meus Deus..

Hoje em dia, a palavra de ordem é: "polêmica". Tudo gera polêmica. Um cara dá uma entrevista e escorrega no português... nossa, polêmica a vista. Zilhões de cliques. Gente debochando, defendendo... os clicadores, que também são seguidores, as vacas de presépio (no meu tempo) se enfrentam em praça pública, para defender seus ídolos...

Nesses tempos modernos, qualquer porcaria vira #hashtag... zilhões de cliques nas redes. Enquanto você clica para ver a calcinha da Bruna Marquezine, um site, como um Ego (da vida), ganha milhões... milhões esses que, contratam mais paparazzis para fotografar, ainda mais calcinhas, cascas de bananas... Hoje, essa turma, fabricantes de escândalos, meros caçadores de gafes, enriquece enquanto você se alimenta da mais fina bosta que existe...

Fica com a barriga cheia e a falsa sensação de estar alimentando... enquanto isso, seus neurônios vão sendo cristalizados, enrijecidos... limitando sua capacidade de pensar por si mesmo...

Noutro dia, estava lendo sobre o programa Superstar (eu adoro programas de música, afinal toco guitarra)... E vi que o Fábio Jr, ao invés de falar "xote" (em referência ao estilo de música), falou "xoxote". Nossa.... virou uma febre na Internet...

Febre! Esta era a palavra que eu queria chegar, na busca do trocadilho...

Já reparou como tem febre na Internet? Qualquer polêmica, ou o mais novo sinônimo: bosta (e vice-versa), vira febre na Internet. As pessoas compartilham como gafanhotos numa plantação... enlouquecidas, querendo clicar rápido, querem a fofoca fresquinha, pronta. Quanta bobagem...

De tanta febre idiota na Internet, nos tornamos os febris e corriqueiro seres, onde vivemos de consumir o que não presta... quando o que realmente importa está cada vez mais escuro, isolado e neutralizado... onde você não enxerga, você não clica.

Somos portadores da febre nosfoide (seria assim)... Esta febre tifoide, mefoide e, consequentemente, nosfoide. E, se referindo a uma boiada (as velhas vacas de presépio), poderia também lançar aqui mais uma edição da febre da vaca louca, ou sei lá...

Nós, os buscadores de conteúdo, somos assolados por montanhas e montanhas de porcarias fedorentas e reluzentes. Como se fôssemos quase hipnotizados para consumir bobagem, na mentirosamente infinita, Internet.

A Internet perde a cada dia, seu tamanho... vai, aos poucos, sendo limitada por esta "bobalidade" que se alastra, todos os dias... Num dia é o #xoxote do Fábio Jr... no outro é a calcinha da rainha global...

Até quando nos comportaremos como formigas burras, fazendo o que querem que façamos? Nos tornamos operários, sem saber, construindo impérios idiotas...

Não sei se você sabe, mas eu tenho um canal no YouTube, onde publico meus vídeos de músicas, fazendo covers das canções que eu mais gosto e tenho uma troca maravilhosa com um pequeno público... Recentemente, recebi uma proposta de patrocínio, onde eu exibia a marca do camarada, em cada vídeo e colocava um link para acesso... Até aí, tudo bem...

Aí, o camarada começou a dar pitaco nos meus vídeos, dizendo que eu tinha de fazer isso, cortar aquilo, falar assim, me vestir assado... isso tudo, para me pagar uma merreca sem vergonha... daí que eu acordei para a coisa... merreca ou fortuna, as pessoas que te pagam querem mudar sua forma de se dirigir ao público que você conquistou, para que eles, os que acham que fazem um favor, te pagando, enriqueçam, ainda mais.

Após perceber esta manobra insólita, eu declinei. Vou continuar na minha vidinha de sempre, no meu barraco de montanha, um eremita e companheiro de mim mesmo... cada dia mais!

Eu, na minha anônima vidinha de escritor de blog, cantor de covers, militante político, ou sei-l-a-o-quê, luto contra esta tentativa de me envergarem, de mudar meu comportamento online... Não posso afirmar que "desta água, jamais beberei", mas vou me empenhar ao máximo, para me esquivar deste mundo ganancioso. Enquanto eu puder me segurar, vou me segurar, firme!

Aqui, sem ganhar absolutamente nada, me sinto livre como um passarinho, rei do meu castelo. Mesmo recebendo e-mails mal criados, de gente sem noção e nem educação, continuo minha saga de buscar desvendar a mim mesmo, através do que escrevo.

Amém!